Dicas de quanto cobrar pela consultoria nutricional

Você sai da faculdade encantada pelo mundo dos serviços de alimentação. Ou, então, está há anos na nutrição, mas decide que chegou a hora de mudar de rumo. Quem sabe, você tenha apenas o desejo de empreender e ser dona do próprio negócio. Seja qual for os caminhos que te levaram até essa área, umas das dúvidas mais recorrentes é: quanto cobrar pela consultoria nutricional?

De antemão, avisamos: não daremos um valor fixo nesse post. Infelizmente, não é assim tão simples. Ou, quer dizer, felizmente, já que você pode criar e definir o seu próprio valor a partir das dicas que compartilhamos abaixo.

Quando você é contratada por uma empresa, o seu salário é X e nada muda. Você, provavelmente, terá um aumento depois de certo tempo, mas não é você quem dita os números na sua carteira. Quando você é autônoma, o cenário é outro. Sua renda não será a mesma todo mês, você depende do valor que irá cobrar e se vê diante de um desafio: como encontrar um preço justo para os dois lados, você e os clientes?

É isso que tentaremos mostrar neste post, com dicas que vão do marketing a estratégia de negócios. Vamos lá?

 

Quanto cobrar pela consultoria nutricional, 7 dicas

  1. Não tenha medo de cobrar  

Primeiro de tudo, não tenha vergonha ou se sinta culpada por achar que o seu trabalho vale. Você não pode trabalhar de graça. Você estudou, tem bagagem, experiências e conhece o seu potencial. Não desvalorize o seu conhecimento.

Esse é um problema real que acontece em tempos de crise. Fulana começa a cobrar Y pelos serviços, o que é muito abaixo do valor de mercado, e, então, os clientes, desacostumados, não querem pagar X, o valor mínimo mais justo.

Lembre-se: você não precisa aceitar toda oportunidade que aparece à porta. Para que as pessoas entendam que vale a pena pagar X pelo seu trabalho, você precisa provar. Precisa mostrar resultados, mas isso é história para outro post.

  1. Entenda o poder aquisitivo da região

São Paulo tem um valor muito diferente da Bahia. Santa Catarina tem um valor muito diferente de Minas Gerais. Você não pode conversar com uma colega de outro estado e esperar que os valores perto da sua casa sejam os mesmos.

Dentro de São Paulo, ainda há uma variação nas regiões. Quem trabalha com empresas na zona leste não consegue cobrar o mesmo valor da zona oeste.

Isso é importante, pois te dá um norte sobre onde mirar. Para quem você fará o seu marketing? Onde vai abrir o seu escritório? Tudo isso influencia no seu preço.

  1. Confira as tabelas de honorários

Os sindicatos de cada região também têm tabelas com os valores bases para os trabalhos oferecidos por uma nutricionista. O Sindicato dos Nutricionistas do Estado de São Paulo, por exemplo, recomenda que você cobre a partir de R$2000 por um Manual de Boas Práticas. Outro exemplo: R$250 por uma ficha técnica com preparação.

Na Bahia, o valor é outro. O Sindicato indica R$3.966,39 para um Manual de Boas Práticas até 50 funcionários. Em Pernambuco, a elaboração do Manual é R$2.650,61.

Mas não adianta querer pegar o valor de outra localidade, pois, como falamos no segundo tópico, é preciso levar em consideração o poder aquisitivo do seu estado. Para conhecer a tabela de honorários da sua região, basta entrar em contato com o sindicato.

  1. Faça uma pesquisa de mercado

Para te ajudar a ter uma noção inicial, você pode conhecer os preços praticados por outros profissionais. Sabe aquela nutricionista que você se espelha e admira? Mande um e-mail fazendo um orçamento básico.

Outra dica é frequentar eventos, workshops e fazer amizades com consultoras. Assim, vocês trocam informações e você consegue construir uma base de preço. Não tenha vergonha ou receio de perguntar. Também tenha em mente que você é você e os outros são os outros, esses valores são apenas uma referência.

  1. Saiba o valor da sua hora trabalhada

Se você estivesse em uma empresa, quanto estaria ganhando? R$2000? R$4000? R$8000? Não tem ideia? Use a dica anterior e recorra a sua rede de apoio ou, então, busque em sites de vagas, como a Catho.

Melhor ainda: quanto você gostaria de ganhar hoje? Quanto você acha que vale o seu serviço nesse momento? Não coloque limites na sua capacidade. Não se diminua. Não tenha medo de cobrar (lembra da primeira dica?).

Com esse valor em mãos, você divide pelo total de horas trabalhadas no mês. Então, se o valor base do seu serviço é de R$5000 e você trabalha 8 horas por dia durante a semana, temos 5000/160 (20 dias) = R$31,25. Sua hora, então, vale R$31,25.

Agora, se você está fazendo um orçamento para um cliente e sabe que vai demorar, aproximadamente, 2 dias para concluir tudo, o valor mínimo a se cobrar é de R$500 (16 x R$31,25). Não importa se você vai dividir o trabalho em vários dias ou fazer tudo de uma vez, você precisa ter uma ideia de quanto vale o seu tempo. Afinal, ele é o bem mais precioso que temos, não?

  1. Não se esqueça das suas despesas fixas

Além da hora trabalhada, é preciso levar em consideração que você não tem os mesmos benefícios de uma pessoa contratada. Para não ficar no prejuízo, pense nesses valores.

São eles: o deslocamento (táxi, uber, ônibus, etc), sua internet, água, luz, a conta do celular, o convênio (que é inegociável!), suas refeições, o material que você usa (impressora, caneta, papel, grampeador), software, livros, etc.

A conta que diz o quanto as despesas fixas representam da sua venda é: total anual de despesas fixas ÷ total anual de vendas x 100. Então, se as suas despesas fixas anuais giraram em torno de R$36000 e o seu valor total de vendas anual foi de R$240000, a sua despesa fixa sobre as vendas é de 15%, pois R$ 36000/R$ 240000 x 100 = 15%.

  1. Descubra e aumente o seu valor  

Com tudo isso em mãos, chegou a hora de saber o seu valor. Preço é o que o cliente paga. Valor é o que você entrega e o cliente leva. Quais são os seus diferenciais? Você é especializada em algo? Tem um case de sucesso? Como chegam até o seu nome? Você mostra ao seu cliente o que ela estará perdendo ao não contratar o seu serviço?

Mais do que uma relação fria, você precisa mexer com os sentimentos das pessoas. Então, para um empreendedor é terrível ter o seu restaurante interditado pela vigilância. Como você entra nessa história para impedir? Talvez, para outro cliente seja mais importante ter uma equipe em sincronia. Qual seria, então, o seu papel?

Você pode aumentar o seu valor de diversas maneiras e uma delas é investindo em constante capacitação. Quanto mais você estuda, mais você sabe para aplicar. Quanto mais você se dedica, mais você se destaca.

A Nutri Mix tem vários cursos acessíveis, presenciais ou a distância, para você dar um up no currículo e aumentar o valor dos seus serviços! Inclusive, um especial sobre como fazer consultoria nutricional.

E, agora, depois dessas dicas, ficou mais claro quanto cobrar pela consultoria nutricional? Qualquer dúvida, deixe nos comentários!

Quanto cobrar pela consultoria nutricional
5 (100%) 12 votes